Divisão regional do estado do rio de janeiro

Descrição da Divisão Regional do Brasil e os reflexos na Mesorregião do Norte Fluminense

 

 

 Baixe aqui

 

“A divisão do espaço geográfico brasileiro em regiões é uma tarefa de caráter científico ditada tanto por interesses acadêmicos, quanto por necessidades do planejamento e da gestão do território” (IBGE, 2001) Para reunir esses estudos, foi criado o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 1930, no período do Estado Novo do governo de Getúlio Vargas, em razão do poder dos populosos estados que pediam autonomia, principalmente o estado de São Paulo. Esse Instituto tem como principal objetivo de estabelecer critérios gerais de fundamentação científico-geográfico para atender a divisão administrativa do Território Nacional e a organização das unidades federativas (IBGE, 2017). Na tabela 1 temos as divisões regionais brasileiras e seus objetivos para a realização das mesmas.

Tabela 1: Divisão Regional do Brasil

Ano Nome Contexto histórico Características principais
1942 Zonas Fisiográficas Com a década de 1930 marcada pelo Governo de Getúlio Vargas, de caráter centralizador e movido pela ideia de integração nacional. Discussão dos Territórios Nacionais fronteiriços voltados para a integridade e a diminuição de diferenças regionais e vigilância das áreas de fronteira.
1960 Revisão das Zonas Fisiográficas Brasília como capital do país em 1960 promove uma revisão na circulação e rearranjos das zonas. Políticas de desenvolvimento e segurança.
1968 Microrregiões Homogêneas Ação política centralizada a partir do Regime Militar de 1964. Levavam em conta as variáveis econômicas do plano de desenvolvimento econômico brasileiro e o conhecimento das diversificações regionais e buscando eliminar seus desequilíbrios na escala micro.
1976 Mesorregiões Homogêneas Ação política centralizada a partir do Regime Militar de 1964, intensificada pelo AI-5 Crise do fim do milagre econômico, leva ao estudo das mesorregiões em prosseguimento das análises das microrregiões homogêneas, buscando corrigir os desequilíbrios regionais.
1989 Mesorregiões e Microrregiões Geográficas Homologação da Constituição Federal de 1988, o rural na junção com a indústria e o início dos complexos industriais e agroindustriais do país. Movimento de descentralização do poder e a autonomia das unidades federativas.
2017

Região Intermediaria 

 

Região Imediata

 Escala intermediária entre as Unidades da Federação e as Regiões Geográficas Imediatas.

 

Rede urbana como principal elemento tendo as regiões estruturas a partir de centros urbanos próximos para a satisfação das necessidades imediatas das populações.

Organizam o território, articulando as Regiões Geográficas Imediatas por meio de um polo de hierarquia superior diferenciado a partir dos fluxos de gestão privado e público e da existência de funções urbanas de maior complexidade

 

Limite mínimo de cinco e o limite máximo de 25 municípios a um contingente populacional mínimo de 50 000 habitantes. Respeitam as divisões das Unidades da Federação, mesmo quando a unidade regional coesa ultrapassa os limites estaduais

Fonte: IBGE, 2017.

Elaboração: Projeto Atlas, 2020.

Além disso, temos as seguintes observações:

1 – Comparando as Zonas Fisiográficas (1942) e as Microrregiões Homogêneas (1968), pode-se afirmar que, em termos do contexto histórico, a primeira divisão regional o país ainda era baseado por elementos naturais. Já a segunda divisão tinha como objetivo o fator da unificação do mercado interno e do sistema econômico pois o país se urbanizava e se industrializava rapidamente. 

2 – Em 2017 a divisão se baseia no conceito de território-rede (HAESBAERT, 2004), diferente de uma região zonal (1942) que mostram espaços contínuos, as interações espaciais, por meio dos polos e redes, também reorientam as estruturas essenciais para as delimitações de regiões polarizadas. 

3- Em 2017 todas as regiões identificadas são formadas a partir de uma cidade central da sua região, estabelecendo-se relacionamentos entre agentes, empresas e população geral que utilizam dos equipamentos urbanos inseridos na região. 

4 – Uma forma de regionalização não invalida as anteriores, dependerá do objetivo do pesquisador e da instituição e seus parâmetros do objeto a ser pesquisado.  

Juntamente com as divisões regionais do Brasil numa escala macro, analisamos também o que tange esses reflexos na escala meso e microrregional do Norte e Noroeste Fluminense. Segue abaixo um vídeo da progressão dessa divisão regional e a Imagem I especificando as divisões de 2017.

Tanto na Mesorregião do Norte Fluminense (MRNF) quanto na Mesorregião do Noroeste Fluminense só recebeu esses nomes a partir de 1987 fazendo a junção de micro e mesorregiões em um só plano. Usando ela como base de analise, pode-se observar que da divisão de 1942 e sua revisão em 1960, não ocorreu alterações nessa área pré-escolhida. Assim, como não houve alteração entres a divisão microrregião homogênea de 1968 e mesorregião homogênea em 1976. 

Esses quatro períodos iniciais há a separação do conceito de zona e o conceito de região, refletindo essa situação no território. A zona definida como um espaço contínuo e a região como um conjunto de elementos marcados pela heterogeneidade e particularidades em relação as demais áreas (IBGE, 2017). 

Entre 1942 e 1960, o Estado do Rio de Janeiro era divido em 3 zonas: Baixada de Goytacazes, Cantagalo e Muriaé, levado em conta as características físicas das zonas, Muriaé é o nome da bacia hidrográfica que perpassa a região, Goytacazes por ser região de planície e Cantagalo por ser uma região de caráter montanhoso.  

Entretanto, a divisão de 1968 e 1976, percebe-se duas microrregiões homogêneas: Norte Fluminense e Centro-Leste Fluminense, este incluindo apenas Itaocara.  

Já em 2017, as regiões são definidas pelo conceito de território-rede (IBGE, 2017). As regiões intermediarias são: Campos dos Goytacazes com 18 municípios composta por 3 regiões imediatas: Campos dos Goytacazes com 6 municípios, Itaperuna com 7 municípios e Santo Antônio de Pádua com 5 municípios; a região intermediaria de Macaé – Rio das Ostras – Cabo Frio com 12 municípios possui 2 regiões imediatas de Cabo Frio com 6 municípios e Macaé – Rio das Ostras com 6 municípios. O nome de cada região segue a cidade com a maior hierarquia urbana definida pelo IBGE (IBGE, 2017).

Referências: 

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Divisão Regional do Brasil em Regiões Geográficas Imediatas e Regiões Geográficas Intermediárias 2017. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. 83 p.

endereço

R. José do patrocínio, 71 - Centro, Campos dos Goytacazes - RJ - 28010-385

Email

atlassocieconomico.nf@gmail.com

seguir
Translate »
Skip to content